Oregon Eclipse 2017

O Oregon Eclipse foi um testemunho de vontade e trabalho duro, feito por um grupo extraordinário de construtores, criadores, mobilizadores e agitadores, sendo estes os mais incríveis que já tivemos a honra de trabalhar juntos. Um local fora de áreas metropolitanas populosas se tornou o espaço para a maior experiência que nós já tivemos a honra em realizar.

Foram vários fatores que tornaram esta experiência tão especial. Desde a cerimônia guiada pelos anciões indígenas pedindo permissão da terra, a colaboração global com estas pessoas de todo o mundo, até a tarefa monumental de transformar a terra virgem em uma metrópole próspera de criatividade, consciência e inspiração, o Oregon Eclipse estará para sempre vivo assim como uma citação de Margaret Mead.

” Nunca duvide que um pequeno grupo de cidadãos conscientes e comprometidos possa mudar o mundo; na verdade, foram eles os únicos que já o fizeram”

A experiência do participante começou com inúmeras oficinas sob o guarda-chuva da Alquimia Elemental. Um curso completo de Design de Permacultura começou a experiência 14 dias antes do início do festival. Isto foi apoiado por imersivos em yoga, arte, herbalismo, performance ritual e um curso que ensinou as pessoas como tirar a vida de um animal de pastoreio e usar todas as suas partes na preparação de um banquete para que não haja desperdício.

A logística de chegada provou ser um desafio … já que dezenas de milhares de pessoas de todos os gêneros desceram ao Big Summit Prairie para o espetáculo cósmico. As filas eram longas, mas a duração do evento também era longa e, uma vez dentro, os participantes tinham acesso a um ambiente de curadoria como nunca antes visto. Mais de 40 ambientes diferentes foram programados com música, aulas, curas sonoras, performances, pintura ao vivo e mais hospedados no meio de uma incrível beleza natural.

O Lago Elefante foi perfeito. Quase 50 acres de natureza exuberante proporcionaram uma atmosfera sublime durante o dia. Embora os rumores sobre a infestação do peixe candiru foram motivos de piada, o lago em si era um lugar perfeito para fazer uma máscara de lama ou as festividades da noite anterior, ou revigorar depois de um belo dia de sol. Bóias preenchiam todo o campo de visão e a Casa do  Toboágua ecoava techno enquanto as pessoas desciam a rampa para a cidade das sereias.

As casas de chá estavam lotadas do o amanhecer até o anoitecer, os sons estavam curando a ritmos astronômicos e os ambientes imersivos estavam por toda parte. Jardins de Permacultura  e arte misturada com templos de arte, salões de faroeste, cabanas de estilo do País das Maravilhas, pedalinho encalhado, rodas da fortuna e exposições de arte que te transportavam para mais  além criavam um ambiente perfeito para brincadeiras mágicas através da floresta. A música era arrebatadora assim como eram as manhãs nos passeios de balão de ar quente. Mais de 400 performances musicais se apresentaram em quase incontáveis palcos. O Sun Stage viu a maior coleção da cena internacional de trance já presenciada nos Estados Unidos. O Moon Stage destacou o melhor da cultura da Bass Music de todo o mundo.

O Sky Stage hospedou techno e house de altíssimo nível por dias a fio, enquanto o Earth Stage apresentava downtempo e squish galáctico que moviam o corpo e a alma. Silk Road sediou a World Music de pessoas que realmente tinham instrumentos, o Big Top contou com uma seleção premiada de artistas de circo, performances aéreas e de fogo e bandas ao vivo de todos os tipos, enquanto a do Eclipse Stage recebeu algumas das maiores performances do underground que ascenderam através da cultura popular do festival. Sua sobrecarga sensorial era inerentemente dançante.

O Templo Solar hospedou uma colaboração sem precedentes de povos indígenas dos territórios dos Estados Unidos e de todo o mundo. Uma grande cerimônia de comunhão e união aumentou ainda mais quando a lua alcançou o sol e a parede de sombra percorreu a pradaria, envolvendo toda a nossa comunidade na sombra, revelando a coroa do sol para todos verem. Os quase dois minutos da totalidade pareceram impossivelmente curtos, mas duraram em um momento intemporal que nós manteremos em nossos corações para sempre. Quando o sol começou a espreitar na formação dos anéis de diamante, a multidão explodiu num grito primitivo que marcou simultaneamente a beleza chocante da extinção da energia solar e a apreciação pelo seu retorno. O paradoxo da luz e sombra estava em plena exibição e destacou que o nosso lugar no universo é verdadeiramente especial. O evento continuou como uma celebração do momento vitorioso em que nossa comunidade experimentou a magia do cosmos … e foi bom.

Oregon Eclipse 2017

O Oregon Eclipse foi um testemunho de vontade e trabalho duro, feito por um grupo extraordinário de construtores, criadores, mobilizadores e agitadores, sendo estes os mais incríveis que já tivemos a honra de trabalhar juntos. Um local fora de áreas metropolitanas populosas se tornou o espaço para a maior experiência que nós já tivemos a honra em realizar.

Foram vários fatores que tornaram esta experiência tão especial. Desde a cerimônia guiada pelos anciões indígenas pedindo permissão da terra, a colaboração global com estas pessoas de todo o mundo, até a tarefa monumental de transformar a terra virgem em uma metrópole próspera de criatividade, consciência e inspiração, o Oregon Eclipse estará para sempre vivo assim como uma citação de Margaret Mead.

” Nunca duvide que um pequeno grupo de cidadãos conscientes e comprometidos possa mudar o mundo; na verdade, foram eles os únicos que já o fizeram”

A experiência do participante começou com inúmeras oficinas sob o guarda-chuva da Alquimia Elemental. Um curso completo de Design de Permacultura começou a experiência 14 dias antes do início do festival. Isto foi apoiado por imersivos em yoga, arte, herbalismo, performance ritual e um curso que ensinou as pessoas como tirar a vida de um animal de pastoreio e usar todas as suas partes na preparação de um banquete para que não haja desperdício.

A logística de chegada provou ser um desafio … já que dezenas de milhares de pessoas de todos os gêneros desceram ao Big Summit Prairie para o espetáculo cósmico. As filas eram longas, mas a duração do evento também era longa e, uma vez dentro, os participantes tinham acesso a um ambiente de curadoria como nunca antes visto. Mais de 40 ambientes diferentes foram programados com música, aulas, curas sonoras, performances, pintura ao vivo e mais hospedados no meio de uma incrível beleza natural.

O Lago Elefante foi perfeito. Quase 50 acres de natureza exuberante proporcionaram uma atmosfera sublime durante o dia. Embora os rumores sobre a infestação do peixe candiru foram motivos de piada, o lago em si era um lugar perfeito para fazer uma máscara de lama ou as festividades da noite anterior, ou revigorar depois de um belo dia de sol. Bóias preenchiam todo o campo de visão e a Casa do  Toboágua ecoava techno enquanto as pessoas desciam a rampa para a cidade das sereias.

As casas de chá estavam lotadas do o amanhecer até o anoitecer, os sons estavam curando a ritmos astronômicos e os ambientes imersivos estavam por toda parte. Jardins de Permacultura  e arte misturada com templos de arte, salões de faroeste, cabanas de estilo do País das Maravilhas, pedalinho encalhado, rodas da fortuna e exposições de arte que te transportavam para mais  além criavam um ambiente perfeito para brincadeiras mágicas através da floresta. A música era arrebatadora assim como eram as manhãs nos passeios de balão de ar quente. Mais de 400 performances musicais se apresentaram em quase incontáveis palcos. O Sun Stage viu a maior coleção da cena internacional de trance já presenciada nos Estados Unidos. O Moon Stage destacou o melhor da cultura da Bass Music de todo o mundo.

O Sky Stage hospedou techno e house de altíssimo nível por dias a fio, enquanto o Earth Stage apresentava downtempo e squish galáctico que moviam o corpo e a alma. Silk Road sediou a World Music de pessoas que realmente tinham instrumentos, o Big Top contou com uma seleção premiada de artistas de circo, performances aéreas e de fogo e bandas ao vivo de todos os tipos, enquanto a do Eclipse Stage recebeu algumas das maiores performances do underground que ascenderam através da cultura popular do festival. Sua sobrecarga sensorial era inerentemente dançante.

O Templo Solar hospedou uma colaboração sem precedentes de povos indígenas dos territórios dos Estados Unidos e de todo o mundo. Uma grande cerimônia de comunhão e união aumentou ainda mais quando a lua alcançou o sol e a parede de sombra percorreu a pradaria, envolvendo toda a nossa comunidade na sombra, revelando a coroa do sol para todos verem. Os quase dois minutos da totalidade pareceram impossivelmente curtos, mas duraram em um momento intemporal que nós manteremos em nossos corações para sempre. Quando o sol começou a espreitar na formação dos anéis de diamante, a multidão explodiu num grito primitivo que marcou simultaneamente a beleza chocante da extinção da energia solar e a apreciação pelo seu retorno. O paradoxo da luz e sombra estava em plena exibição e destacou que o nosso lugar no universo é verdadeiramente especial. O evento continuou como uma celebração do momento vitorioso em que nossa comunidade experimentou a magia do cosmos … e foi bom.